Festejos da Padroeira 5 a 15 de agosto

Home » Pastoral da Saúde

Pastoral da Saúde

Objetivos
Cuidar dos doentes em domicílio e no hospital, e também se interessa por todos aqueles que o assistem: profissionais de saúde, familiares, agentes pastorais, comunidade e voluntariado, dando-lhes uma visão cristã da vida e do sofrimento.
Atende não só a hospitais, casas de saúde, sanatórios, mas também a creches, asilos, centros de recuperação e presídios.
Procura participar de campanhas de saúde pública, saneamento básico e outros empreendimentos pró-saúde.
Interessa-se com dedicação a escolas que formam profissionais de saúde: Medicina, Enfermagem, Administração Hospitalar, Nutrição, Serviço Social e outras.
Procura organizar cursos para quantos desejarem participar da Pastoral da Saúde.
Procura fundar e manter um ambulatório médico-odontológico que possibilite o atendimento a pessoas e famílias carentes (Casa de Convivência).
Vivência da Pastoral
Pastoral significa, essencialmente: ministério, serviço, doação, disponibilidade, renúncia, abertura para o outro. Não se entende Pastoral que não saiba se colocar a serviço do outro: “Eu não vim para ser servido, mas para servir” (Mt 20, 28). Não é verdadeira e evangélica aquela Pastoral que não sabe ser gratuidade para o próximo enfermo. A indolência, a preguiça, o medo do sacrifício e o comodismo destroem a beleza da doação de si mesmo: “Se alguém quer vir atrás de mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16, 24)
Identificação com Jesus Cristo
A compaixão de Jesus Cristo para com aqueles que sofrem é tão grande que o próprio Jesus Cristo se identifica com eles: “Estive enfermo e me visitastes” (Mt 25, 36). “Todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos a mim o fizestes” (Mt 25, 40). “Ide e contai a João o que ouves e vedes: os cegos recuperam a vista, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciada a Boa-Nova” (Mt 1,4-5). Esta identificação com Cristo supõe do Ministro:
Espiritualidade
A reflexão, a meditação e a vivência dos ensinamentos de Jesus Cristo acerca dos que sofrem devem estar entre as linhas prioritárias dos trabalhos da Pastoral da Saúde. A oração pessoal frequente e perseverante leva o Agente da Pastoral da Saúde ao conhecimento profundo de Deus, faz penetrar e viver as maravilhas de sua graça. Falar de Deus aos que sofrem é importante, mas antes é preciso falar com Deus. A intimidade com Deus é indispensável para a eficácia do trabalho apostólico.
Pastoral da Saúde Objetivos Cuidar dos doentes em domicílio e no hospital, e também se interessa por todos aqueles que o assistem: profissionais de saúde, familiares, agentes pastorais, comunidade e voluntariado, dando-lhes uma visão cristã da vida e do sofrimento. Atende não só a hospitais, casas de saúde, sanatórios, mas também a creches, asilos, centros de recuperação e presídios. Procura participar de campanhas de saúde pública, saneamento básico e outros empreendimentos pró-saúde. Interessa-se com dedicação a escolas que formam profissionais de saúde: Medicina, Enfermagem, Administração Hospitalar, Nutrição, Serviço Social e outras. Procura organizar cursos para quantos desejarem participar da Pastoral da Saúde. Procura fundar e manter um ambulatório médico-odontológico que possibilite o atendimento a pessoas e famílias carentes (Casa de Convivência). Vivência da Pastoral Pastoral significa, essencialmente: ministério, serviço, doação, disponibilidade, renúncia, abertura para o outro. Não se entende Pastoral que não saiba se colocar a serviço do outro: “Eu não vim para ser servido, mas para servir” (Mt 20, 28). Não é verdadeira e evangélica aquela Pastoral que não sabe ser gratuidade para o próximo enfermo. A indolência, a preguiça, o medo do sacrifício e o comodismo destroem a beleza da doação de si mesmo: “Se alguém quer vir atrás de mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 16, 24) Identificação com Jesus Cristo A compaixão de Jesus Cristo para com aqueles que sofrem é tão grande que o próprio Jesus Cristo se identifica com eles: “Estive enfermo e me visitastes” (Mt 25, 36). “Todas as vezes que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos a mim o fizestes” (Mt 25, 40). “Ide e contai a João o que ouves e vedes: os cegos recuperam a vista, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e aos pobres é anunciada a Boa-Nova” (Mt 1,4-5). Esta identificação com Cristo supõe do Ministro: Espiritualidade A reflexão, a meditação e a vivência dos ensinamentos de Jesus Cristo acerca dos que sofrem devem estar entre as linhas prioritárias dos trabalhos da Pastoral da Saúde. A oração pessoal frequente e perseverante leva o Agente da Pastoral da Saúde ao conhecimento profundo de Deus, faz penetrar e viver as maravilhas de sua graça. Falar de Deus aos que sofrem é importante, mas antes é preciso falar com Deus. A intimidade com Deus é indispensável para a eficácia do trabalho apostólico.